Abraço

Qual a utilidade de um abraço? Qual sua importância ou sua necessidade? Por que abraçamos?

O abraço entra naquela lista das coisas inúteis, mas indispensáveis para nós.

Abraçar é materializar sentimentos, é transbordar carinho e amor pela pessoa abraçada.

Não temos o costume de sair distribuindo abraços por aí, antes reservamos nossos abraços para pessoas e momentos especiais.

Um abraço celebra, conforta, consola, anima, aproxima, une corações. Abraçar pode curar a alma.

Muito se fala sobre darmos “flores em vida” (Trecho da música do Nelson Cavaquinho - Quando eu Me Chamar Saudade), ou seja, demonstrar amor enquanto é tempo. Abraçar nossos pais, mães, amigos(as), namorados(as), cônjuges, filhos(as), sobrinhos(as), avós, tios, tias, enfim as pessoas que fazem parte da nossa vida, que são especiais para nós, enquanto estão vivas. Muitos aderiram a isso e se fizeram presentes demonstrando amor aos seus.

Mas, e agora? Vivemos dias de isolamento, distanciamento, solidão, quarentena, diminuição do contato social. E não é metafórico! O covid-19 nos colocou numa situação sem precedentes na história. A distância pode nos salvar... quem diria.

Como dói ter que ficar distante das pessoas que amamos justamente por ama-las. Os abraços se tornaram apenas lembrança de um tempo onde era possível tocar para demonstrar amor.

Realmente a vida nos surpreende e tem se demonstrado bem mais frágil do que muitos imaginavam. A humanidade vai precisar se reinventar. Não sairemos dessa iguais.

Para além das previsões e prospecções humanas, temos a verdade bíblica e seu apontamento em relação ao nosso futuro. Não devemos ignorar a primeira em detrimento da segunda, antes olhar para a primeira na perspectiva da segunda. A eternidade é prometida por Deus aos seus filhos e a garantia disso é o Espírito Santo em nós.

A realidade terrena é transitória e a morte paira no horizonte de todas as pessoas independentemente da pandemia. Como cristãos somos chamados a manter exatamente a mesma convicção da nossa ressurreição em Cristo Jesus, com ou sem situação caótica.

E como isso é possível? Por meio da fé. Nossa fé é sobrenatural, sua origem e destino encontram-se no próprio Deus. E é essa fé que nos conduz e nos mantém na verdadeira esperança, que também é sobrenatural.

O cristão não nega a realidade, não foge dela, nem a reduz, antes entende que esta transcende os limite humanos. Na prática isso significa confiar que Deus é soberano, tem governo e autoridade sobre todas as coisas e conduz os cursos da história de acordo com seu propósito eterno. Deus nunca perdeu o controle, nunca perde e nunca irá perder. Podemos confiar Nele sem medo.

Em dias de isolamento social, diminuição do calor e carinho humano, deixe a Palavra de Deus abraçar seu coração. Medite nas Escrituras, deixa-as enraizarem. em você. Deus, o Pai amoroso e justo, nunca desampara seus filhos, ele nos cura com seu abraço de amor.